Visitantes

domingo, 18 de março de 2018

17- Resenha do livro TARTARUGAS ATÉ LÁ EMBAIXO

JOHN GREEN, EDITORA INTRÍNSECA, 2017,  266 páginas

RECOMENDAÇÃO: PARA TODAS AS IDADES


No livro, a protagonista Aza Holmes conta em primeira pessoa como vive com a mãe após a morte do pai. Ela sofre de problemas psicológicos, faz acompanhamento médico, mas não consegue se livrar do pensamento obsessivo de que vai morrer por causa de bactérias que lhe invadem o corpo, chegando ao ponto de ingerir álcool em gel para higienizar a boca.

Conta com o amor incondicional da mãe e da amiga Daisy que ela descobre mais tarde que a acha extremamente egoísta, mas de quem não consegue se afastar. Juntas, as duas vivem algumas aventuras e conhecem Davis, filho de um milionário que desaparece deixando pistas difíceis de serem elucidadas. Aza se envolve com Davis, filho desse milionário que dá a ele e ao irmão tudo, menos o que eles mais esperam do pai que é amor, e Aza promete a Noah, irmão de Davis que sente muito a falta do pai visto que já vive sem a mãe, que vai fazer de tudo para descobrir o paradeiro do pai.


O livro detalha muito os problemas mentais da protagonista, pois por causa deles, Aza não consegue viver bem a fase da vida em que se encontra, inclusive a descoberta do amor. Acredito que se não fosse o mistério do milionário, o livro seria muito mais pesado para ler.

segunda-feira, 12 de março de 2018

16- Resenha do livro ÁGUA PARA ELEFANTES


SARA GRUEN, EDITORA ARQUEIRO, 2007,  272 páginas

RECOMENDAÇÃO: LITERATURA ADULTA

O livro conta a história de Jacob- um veterinário aposentado e meio senil que nem sabe ao certo sua própria idade e que sua família deixou meio abandonado numa casa de repouso. Ele mesmo vai contando a sua história a partir da morte de seus pais num acidente de carro intercalando o passado e o presente numa narrativa cheia de emoção.

Seu pai era um veterinário renomado, mas que estava passando por um momento não muito bom economicamente falando, tendo até mesmo trabalhado em troca de comida visto que seus clientes não tinham dinheiro (por causa da depressão americana) para pagar pelos seus trabalhos e ele não conseguia se negar a atender quando alguém vinha lhe pedir auxílio falando de algum animal doente. Nessa época, ele estava terminando sua graduação e se tornaria veterinário como o pai. Com a morte dos pais, sua vida dá uma guinada porque, de uma hora para outro, ele se encontra sem nem ter onde morar. Ele decide abandonar os estudos quando faltavam apenas as provas finais para concluir sua graduação.

Meio tresloucado, salta dentro de um trem em movimento. Fica sabendo que o trem pertence a um circo praticamente falido cujo dono trata a todos muito mal, tanto pessoas como animais. E, quando o trem para em alguma cidade para fazer apresentações, essas mal dão para cobrir os gastos.

É nesse trem que ele se apaixona por Marlena, a mulher de August que sofre maus tratos vindos da parte do marido. Os dois são artistas e juntos apresentam uma parte do espetáculo com cavalos. Mais tarde, chega ao circo uma elefanta – Rosie. Por causa dela, acontecem algumas confusões e surpresas antes que a história termine.

A história dividida em 25 capítulos tem partes bastante dramáticas, porém é bem envolvente. Vale a pena ler o livro. 

quinta-feira, 8 de março de 2018

15 - Resenha do livro NOITES BRANCAS

FIÓDOR DOSTOIÉVSKI, EDITORA 34, 2009,  87 páginas

RECOMENDAÇÃO: PARA TODAS AS IDADES

O livro conta um romance de extrema sensibilidade. O protagonista encontra, certa noite, uma moça que aparentemente está sendo seguida por um homem suspeito. Ele se aproxima apenas para protegê-la, mas se envolve com ela, pela sua história; porém ela guarda lembranças ternas e espera ansiosamente por um homem por quem está apaixonada e que prometeu que voltaria nos próximos dias quando completaria um ano desde que partira.

O homem demora mais dias que o esperado e, neste tempo, o protagonista se declara apaixonado e muito feliz, pois ela resolvera não mais esperar pelo seu amor. O inesperado acontece e a história muda de rumo.


Uma história que busca no mais íntimo do ser, fazer indagações sobre a vivência das pessoas solitárias. 

domingo, 4 de março de 2018

14- Resenha do livro A OUTRA FACE


DEBORAH ELLIS, EDITORA ÁTICA, 2012,  127 páginas

RECOMENDAÇÃO: PARA TODAS AS IDADES

O livro conta a triste história de Parvana, uma adolescente, filha de um ex-professor, mas que teve sua vida transformada por causa da guerra no Afeganistão. Faziam parte da família, o pai que havia perdido uma perna num bombardeio, mas mesmo assim, trabalhava para sustentar a família como podia. A mãe e a irmã Nooria, de 16 anos, que segundo a tradição religiosa do lugar, só poderiam sair acompanhadas de um homem adulto (marido, pai, filho ou irmão) a irmãzinha Marian e o irmãozinho Ali que ainda era bebê.

O pai não poderia servir ao exército como soldado, porém foi preso sem direito a nada. A mãe, então, entrou em depressão profunda com o desaparecimento do marido e foi Parvana que conseguiu, a partir daí, o sustento de todos, assumindo a personalidade de Cassim, o irmão mais velho, morto na guerra. Cortou seus cabelos, vestiu-se com as roupas do irmão e, na companhia de Schauzia, outra garota na mesma situação, saía todos os dias para vender objetos no comércio do vilarejo chegando a ponto de vender ossos humanos desenterrados de um cemitério.

Até que um dia, sua vida muda para sempre.

Um livro emocionante que nos faz refletir sobre a nossa vida; de como somos felizes e não damos o devido valor.



 A VIAGEM DE PARVANA – MAIS HISTÓRIAS DE UMA GAROTA AFEGÃ

DEBORAH ELLIS, EDITORA ÁTICA, 2012,  142 páginas



RECOMENDAÇÃO: PARA TODAS AS IDADES

A história deste livro é a continuação do livro “A outra face”. Nele, Parvana continua a sua sofrida jornada.

No final do primeiro livro, Nooria se casa e leva consigo a mãe e os irmãos menores, mas não pôde levar Parvana que vivia como Cassim. Ela ficou também para que o pai, que havia sido preso pelo Talibã, ao voltar para casa, encontrasse alguém. Acontece então, que ela fica sabendo que o pai está morto e parte em busca da mãe e dos irmãos.

Durante a viagem, ela encontra um bebê cuja mãe está morta a seu lado e o leva consigo o que lhe dificulta a viagem, mas ela nem cogita abandoná-lo à própria sorte. Depois encontra também um menino que perdera uma perna num ataque de lobos. Encontra ainda uma menina que tinha como lar uma caverna e cuidava de sua avá idosa. Como a menina tinha um estoque considerável de mantimentos, os três permaneceram ali até que houve um bombardeio e seu lar foi destruído matando a avó da menina.

Saíram agora as quatro crianças em busca de alguém que pudesse ajudá-las dando-lhes ao menos comida. Andaram até chegarem a um grande acampamento de refugiados onde grandes surpresas aguardam por Parvana.

Um livro escrito em 21 capítulos curtos, mas nem por isso, menos emocionantes. Uma história que nos faz refletir sobre a importância da paz entre os povos.

sábado, 3 de março de 2018

13- Resenha do livro A MENINA QUE NÃO SABIA LER – VOLUME 1
JOHN HARDING, EDITORA LEYA, 2014, 288 páginas
 
RECOMENDAÇÃO: PARA TODAS AS IDADES

O livro é muito bem narrado pela protagonista Florence. Uma menina que mora numa mansão afastada de quase tudo junto com seu meio irmão, Giles e os empregados de seu tio e tutor o qual quase nunca está em casa e onde não recebe praticamente nenhuma atenção. E, o pior de tudo para ela, é que por algum motivo alheio a sua vontade, Giles recebe alfabetização enquanto ela é proibida de aprender a ler o que a deixa extremamente contrariada.

Como ela se sente muito sozinha, começa a vagar pela enorme mansão e encontra uma biblioteca coberta de pó indicando que não é visitada por ninguém a bastante tempo e se aventura pelo universo dos livros aprendendo a ler sozinha. Passa muitas horas noturnas lendo a luz de velas na biblioteca para não ser descoberta.

Acontecem coisas estranhas na casa e a preceptora de Giles se afoga num lago. Sua morte não foi muito bem esclarecida. Logo depois, aparece outra preceptora tão ou mais estranha que a primeira e, desta vez, em seus pesadelos, Florence vê a senhorita Taylor querendo engolir seu irmão.

A partir daí, a menina não sossega com sua presença e cria um plano mirabolante para tirá-la de perto dele. A única pessoa em quem acredita que pode confiar esse segredo é para Theo, um menino asmático da vizinhança que por causa de sua doença não pode estudar num internato e que visita a casa com uma frequência indesejada no início e bastante conveniente e até mesmo esperada, mais para frente.

O final é de arrepiar. Como a menina lidou com a situação sem parecer culpada de tudo novamente.

O livro é dividido em duas partes: a primeira vai até o capítulo 9 e a segunda, até o capítulo 32. É uma leitura que seduz o leitor.





A MENINA QUE NÃO SABIA LER – VOLUME 2
JOHN HARDING, EDITORA LEYA, 2014,  288 páginas

RECOMENDAÇÃO: PARA TODAS AS IDADES


O segundo volume da trama é contado pelo protagonista, doutor John Shepherd. A história começa com ele chegando ao seu novo posto de trabalho: uma ilha na qual funciona um hospital psiquiátrico somente para mulheres. Lá, ele é recebido pelo médico responsável que o põe a par da situação das pacientes (quase todas) e da rotina diária. Rotina este que lhe pareceu bastante absurda, mas como ele era um médico com pouca experiência ainda; não sabia bem como se posicionar a respeito.


À noite, recolhido em seu quarto à luz de uma vela, ele abre sua pequena mala. Encontra apenas mais uma muda de roupa, artigos de higiene pessoal e o livro “Tratamento moral” o qual ele não imagina qual seja o seu conteúdo. Só bem mais tarde, o texto revela porque aquela pouca bagagem lhe pareceu tão estranha. 

Estranhíssimos também são os sons que escuta durante a noite na completa escuridão da ilha.
Em seu primeiro dia de trabalho, assistiu a uma sessão do tratamento de uma das pacientes que, para ele, era mais uma tortura do que um tratamento. Em sua visão, uma pessoa nunca se curaria sendo tratado daquela maneira; porém na visão do dr. Morgan, as pacientes nunca se curariam. Essa forma de agir com elas era somente para que se tornassem mais dóceis. Eram tratadas praticamente como prisioneiras.

Ele resolve que deve fazer uma intervenção para tentar mudar a vida daquelas mulheres. Então lê o livro que estava na sua mala e o que está escrito nele lhe parece muito pertinente e insiste com o dr. Morgam que possa fazer uma experiência com uma das pacientes para provar que sua teoria sobre um tratamento oposto ao usado pelo médico chefe traria melhores resultados e até mesmo a cura, podendo assim, a paciente voltar ao convívio na sociedade. Ele concorda, mas assegura-lhe que não funcionará. Mesmo assim, dr. Shepherd escolhe uma paciente e inicia o tratamento. A paciente escolhida – a menina que não sabia ler -  o atraíra desde a primeira vez em que a viu e ela o surpreenderá muito.

Haverá, a partir daí, muitas descobertas muito bem enredadas pelo autor. O final é surpreendente. Tem toques de terror.

O livro é dividido também em 32 capítulos e sua leitura absorve a atenção de tal modo que não se quer parar de ler até conhecer o final da trama.