Visitantes

terça-feira, 25 de fevereiro de 2020

122- Resenha do livro MEMÓRIAS DE UM VENDEDOR DE MULHERES

GIORGIO FALETTI, TRADUÇÃOMARCELLO LINO, EDITORA 

INTRÍNSECA, 2012, 288 páginas
               
RECOMENDAÇÃO: LITERATURA ADULTA

O autor italiano é formado em Direito; trabalhou como cantor, compositor e comediante de televisão antes de estrear na literatura em 2001 com o livro Eu mato que vendeu mais de quatro milhões de exemplares na Itália e foi traduzido para 25 idiomas. É autor de outros best-sellers tais como Eu sou Deus, Niente di vero tranne gli occhi e Fuori da um evidente destino.

Livro ambientado entre mafiosos italianos poderosos e muito perigosos, contado em primeira pessoa por um homem, Francesco Marcona, cujo único ofício era negociar garotas de programa. Ele tinha contatos com homens poderosos da elite italiana e um único amigo: o cego Lucio, com quem se distraía decifrando criptogramas. O ano era 1978 quando, na Itália, o sequestro de Aldo Moro, ex-primeiro-ministro, era o assunto em pauta.

Os mafiosos sabiam que o protagonista tinha o poder de atrair mulheres bonitas fazendo com que elas aceitassem fazer programas com poderosos uma vez que as somas que poderiam receber em uma noite, em sua rotina levariam um ano para ajuntar. E esse agenciador tinha sofrido um trauma no passado, o que o fazia ficar longe das camas das mulheres que agenciava ou de qualquer outra, entretanto uma parte significativa do valor envolvido no "negócio" ficava para ele.

Seus problemas começaram a aparecer quando foi rendido por um capanga e obrigado a cavar uma sepultura que seria sua, mas alguém matou seu algoz antes que este o matasse. Depois disso, houve várias mortes e tudo conspirava contra ele.

Um livro empolgante com muitas reviravoltas. Vale muito a pena ler o livro.

DLL- JANEIRO- 5º UM LIVRO DE AUTOR ITALIANO

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2020

121- Resenha do livro NAS COLINAS DE DORSETSHIRE

AMANDA BONATTI, EDITORA COERÊNCIA, 2019, 362 páginas

RECOMENDAÇÃO: LITERATURA JUVENIL

A autora catarinense é formada em Pedagogia e Letras e pós-graduada em supervisão escolar e em revisão de textos. Livros são sua paixão já tendo publicado cinco livros entre 2013 e 2018. Atualmente, dedica-se exclusivamente à literatura e romance de época é seu gênero de escrita.

O livro é ambientado em duas cidades inglesas: Londres e o vilarejo de Bincombe na cidade de Dorsetshire, no século XIX e conta a história de Dolores ou Lolla, como é carinhosamente chamada pelos mais próximos. Ela é uma jovem simples, mas de personalidade forte; tem 19 anos. Filha do meio de um casal de trabalhadores, irmã de Richard e Audrey. A família mora numa casa bastante humilde. O pai trabalha como jardineiro na fazenda de James Boorman, um viúvo cuja esposa morreu ao dar à luz a seu único filho que recebeu o mesmo nome do pai. No entanto, a moça não reclama da vida e sonha em encontrar um grande amor. A mãe é bastante ambiciosa e imagina arranjar a qualquer preço, para as filhas, casamentos com homens ricos e poderosos.

O que os três filhos não sabem é que os pais perderam tudo o que tinham e passaram a morar de favor na fazenda do patrão do pai e, como se não bastasse, os pais aceitam dar a mão de Lolla em casamento ao senhor Boorman em troca do pagamento das dívidas da família.

Lolla, inicialmente, não aceita, pois acha abomináveis os modos do patrão do pai. Ele é grosseiro, esnobe e acha que os empregados jamais devem ser tratados com gentileza. Entretanto, a mãe de Lolla convenceu-a a aceitar o casamento usando o argumento de que se ela não aceitasse, a noiva do homem seria Audrey, sua irmã de apenas 14 anos. Lolla sofreu muito, mas aceitou para não sacrificar a irmã.

O senhor Boorman, percebendo a antipatia da futura noiva com relação à ideia do casamento, enviou-a para Londres com seu irmão Richard a fim de que ela conhecesse a alta sociedade e assim, influenciá-la a querer aquela vida.

Na chegada à mansão dele em Londres, a jovem conheceu James, seu futuro enteado o que fez com que sua vida virasse de cabeça para baixo.

O livro é um romance de época com uma história que poderia de fato ter acontecido naquela época; tem uma leitura gostosa, leve e bem atrativa. Conta com 26 capítulos e cada um deles começa com uma citação de Shakespeare numa clara alusão à vivência de um amor que precisa vencer grandes barreiras para sobreviver.

DLL- fevereiro- 4º um romance de época


terça-feira, 18 de fevereiro de 2020

120- Resenha do livro VOCÊ JÁ ENCONTROU O FANTASMA DO MAL?

R. L. STINE, TRADUÇÃO CRISTIANA TEIXEIRA MENDES, 

ROCCO JOVENS LEITORES, 2008, 141 PÁGINAS

RECOMENDAÇÃO: LITERATURA INFANTO-JUVENIL

            O autor americano escreveu centenas de romances de ficção e terror, entre eles, grandes sucessos como as séries infantis Goosebumps (que virou série de TV) e Rua do medo. Seus livros venderam centenas de milhares de cópias e isso o fez fazer parte do Guiness World Records. Ele é considerado o ‘Stephen King’ da literatura infantil.

O livro fala de Max, um garoto assombrado por fantasmas. Sua professora pedia para que a classe escrevesse um diário contando o que haviam feito durante um dia. Mas Max não poderia contar que tinha dois fantasminhas, Nicky e Tara, que o visitavam todos os dias e nem que Medu, um fantasma do mal, o atormentava invadindo seu ouvido esquerdo picando-o por dentro provocando inchaço enorme e muita dor.
  
Em casa, a situação não andava bem: todos ouviam o miado de um gato e o garoto teve dificuldade de explicar à família onde estava o tal gato, pois sabia que o miado era de um gato fantasma que vivia em um túnel que iniciava na parede do seu quarto. Quando ia mostrar o túnel para eles, todos ficaram surpresos, principalmente Max, pois não havia túnel nenhum.

As coisas se tornaram ainda mais estranhas depois que o gato fantasma urinou na cama de Colin, o irmão mais velho de Max, e ele o obrigou a dormir na cama dele e ele foi dormir na cama do irmãozinho. Ao acordar, Colin se sentia esquisito, mas ninguém conseguia explicar porquê.

Muitas trapalhadas nos esperam com a leitura deste livro, que com certeza vai encantar as crianças. Vale a pena ler.

DLL- fevereiro- 3º- um livro de fantasia.

terça-feira, 11 de fevereiro de 2020

119- Resenha do livro O MENINO DA LISTA DE SHINDLER

LEON LEYSON COM MARILYN J. HARRAN E ELISABETH B. 

LEYSON, TRADUÇÃO PEDRO SETTE-CÂMARA, ROCCO JOVENS 

LEITORES, 2014, 1ª EDIÇÃO, 252 PÁGINAS

RECOMENDAÇÃO: LITERATURA PARA TODAS AS IDADES

Relato biográfico em primeira pessoa na voz de Leon Leyson sobre como foi que o exército nazista tratava os judeus durante a Segunda Guerra Mundial. A biografia foi escrita com a ajuda da esposa de Leon, Elisabeth B. Leyson e da doutora Marilyn J, Harran, diretora e fundadora do Rodgers Center for Holocaust Education.

           O garoto Leon contava com apenas 10 anos de idade quando, em 1939, a Alemanha invadiu a Polônia, onde morava com seus pais Chanah e  Moshe e os quatro irmãos: Tsalig, Hershel, Pezsa e David.

O pai lhe assegurara que a guerra acabaria logo, mas essa foi uma mentira contada para amenizar a tristeza das crianças.  A cada dia que passava, por serem judeus, as coisas ficavam mais difíceis para eles começando por perderem o direito de ir e vir, de estudar, de trabalhar. Depois foram forçados a se mudar para um gueto para judeus onde começaram a passar fome. Isso tudo mesmo que o pai e os irmãos tendo um emprego regular embora recebessem como salário, uns míseros necos de comida que levavam para casa para dividir com os demais. Pelo menos, estavam vivos e juntos. Então, Tsaling foi convocado a serviços forçados; Hershel fugiu com a namorada e nunca mais foram vistos. Os demais continuaram juntos, mas as agruras da guerra os judiaram bastante. 

Fala também sobre o quanto foram privilegiados pela ação de Oskar Schindler, um alemão, que mesmo estando sob o comando dos nazistas, conseguia manipular dados para que determinadas pessoas, entre elas a família de Leon, não fossem enviadas para as câmaras de gás, colocando até mesmo sua própria vida em risco para salvar alguns inocentes. Na visão de Leon, Oskar foi um herói.

Traz também relatos sobre como o autor e sua família e Oskar viveram depois que a guerra acabou.

O livro emociona não só pelo depoimento, mas também pelas fotos e documentos que comprovam algumas das coisas pelas quais seus personagens passaram.

DLL fevereiro -2º- Um livro baseado em fatos

terça-feira, 4 de fevereiro de 2020

118- Resenha do livro 100 CANÇÕES PARA SALVAR A SUA VIDA


CAMILA DORNAS, 2019, 381 páginas

RECOMENDAÇÃO: LITERATURA ADULTA


 “Moro em Brasília. Eterna amante dos Beatles e de boa música. Leitora fanática desde o momento em que entrei no mundo mágico que é uma biblioteca. Escritora por paixão. Ainda acredito no amor verdadeiro, do tipo que faz tudo valer a pena. Super-hiperativa, compradora de livros compulsiva. Acho que na outra vida fui uma guerreira poderosa que dava a maior surra nos caras ruins. Tremo de terror a vista de uma barata. Sou um pouquinho de tudo, me apaixono por tudo que é intenso, odeio coisas mornas, se é pra ser, que seja 100 por cento. E não confio em pessoas que não comam chocolate ou resistam ao charme de um cachorro. Autora do livro ´´ A linhagem``.”

            Assim a autora deste livro encantador se descreve. Além do livro ora resenhado e de Linhagem, Camila escreveu mais dois outros livros: Subconsciente e Paraísos selvagens.

O livro conta a história de três garotas muito amigas: Alícia, Natasha e Valentina. Eram muito unidas até o suicídio de Valentina provocar uma reviravolta na vida das duas que restaram.

Quem narra a história em primeira pessoa é a Alícia que além dessa perda teve outra que a transformou mais ainda: a morte da mãe cuja culpa o pai lhe atribui. Sendo assim, perdeu a mãe, uma das melhores amigas e também o pai, pois se viu obrigada a se afastar dele uma vez que ele resolveu se refugiar na bebida.

As três amigas tinham um costume: todo ano, no dia 31 de dezembro, escreviam cartas para si mesmas e as enterravam dentro de um pequeno baú junto com outras coisinhas e no final do ano seguinte, liam as cartas e enterravam outras.

Valentina se suicidou e no último dia do ano, depois de muita insistência de Alícia, Natasha concordou em ir até o local, pois a protagonista achava que poderiam encontrar indícios dos motivos pelos quais Valentina teria se matado.

E o que encontraram as deixou perplexas: havia comandos diferentes para Alícia. Sem saber direito o que fariam, começaram a executar os mandados de Valentina. E o que encontravam as instigavam a continuar.  Foi uma busca que as levou a cidades diversas inclusive para outros estados do Brasil.

Na caixa, havia também um ipod com músicas que marcaram a vida de Valentina e que segundo ela, poderiam ‘salvar’ a vida de Alícia. Valentina dizia nas cartas que Alícia se encontraria se seguisse seus comandos. Várias coisas foram sendo esclarecidas ao mesmo tempo em que dúvidas foram surgindo e algumas pessoas que encontrou enquanto seguia o caminho delineado pela amiga, mudaram-na completamente. Foram vários acontecimentos que me surpreenderam neste livro que pouco tem de previsível.

Um romance chick-lit de uma autora brasileira que vale a pena ler.

DLL fevereiro- 1º- um livro de capa colorida